terça-feira, dezembro 12, 2006

Declaração do Sol....


Mãe....
não sei escrever poemas bonitos como vc!
nem sei escrever mto bem....
mas o que importa é o sentimento que colocamos nas palavras, né!
podem ser escritas ou faladas.... desenhadas até...
não importa o modo como são expressadas...
o que importa é passarmos nelas coisas positivas, alegres, etc...
o que importa é transmitir pra pessoa que queremos atingir que nos preocupamos com ela...
e que ela é uma pessoa importante para nós, que faz parte da nossa vida!
Mãe....
então quero tentar transmitir isso pra vc....
dizer que vc é a pessoa mais importante pra mim!
que vc é a mulher mais linda que eu conheço!
A mulher mais elegante!
A mulher mais cuidadosa...
a mais brilhante!
a mais sincera!
a mulher mais inteligente!
Vc é a minha musa.....hehe...

Eu te amo mãe!

e como a musica do Cazuza diz:

"Amor da minha vida daqui até a eternidadee...
nossos destinos foram traçados na maternidade..."
Beijos da sua filhinha
July

sábado, dezembro 02, 2006

Novos Sorrisos...

Que venturoso cárcere suave...

Que venturoso cárcere suave, onde nem por furor nem por despeito, mas por ternura e amor, me tem sujeito minha bela inimiga, em doce entrave.
Há prisioneiros que, ao girar da chave, se contristam. Eu rio, satisfeito: não vê morte a esperança do meu peito, nem juízes severos, nem lei grave, mas ternas acolhidas, mas ardente liberdade de abraços, mas desejos, palavras livres e risinhos loucos, mas doces beijos, dados docemente, e mil e mil e mil e mil, mil beijos, que por mais que se contem, são bem poucos.
Ludovico Ariosto

Luz e Sombra....

A Noite
Gonçalves Dias

Noite, melhor que o dia, quem não te ama!
Quem não vive mais brando em teu regaço!
Filinto.

Eu amo a noite solitária e muda,
Quando no vasto céu fitando os olhos,
Além do escuro, que lhe tinge a face,
Alcanço deslumbrado
Milhões de sóis a divagar no espaço,
Como em salas de esplêndido banquete
Mil tochas aromáticas ardendo
Entre nuvens d'incenso!
Eu amo a noite taciturna e quêda!
Amo a doce mudez que ela derrama,
E a fresca aragem pelas densas fôlhas
Do bosque murmurando:
Então, malgrado o véu que envolve a terra,
A vista, do que vela enxerga mundos,
E apesar do silêncio, o ouvido escuta
Notas de etêreas harpas.
Eu amo a noite taciturna e quêda!
Então parece que da vida as fontes
Mais fáceis correm, mais sonoras soam,
Mais fundas se abrem;
Então parece que mais pura a brisa
Corre, — que então mais funda e leve a fonte
Mana, — e que os sons então mais doce e triste
Da música se espargem.
O peito aspira sôfrego ar de vida,
Que da terra não é; qual flor noturna,
Que bebe orvalho, ele se embebe e ensopa
Em êxtase de amor:
Mais direitas então, mais puras devem,
Calada a natureza, a terra e os homens,
Subir as orações aos pés do Eterno
Para afagar-lhe o trono!
Assim é que no templo majestoso
Reboa pela nave o som mais alto,
Quando o sacro instrumento quebra a augusta
Mudez do santuário;
Assim é que o incenso mais direito
Se eleva na capela que o resguarda,
E na chave da abóbada topando,
Como um dossel, se espraia.
Eu amo a noite solitária e muda;
Como formosa dona em régios paços,
Trajando ao mesmo tempo luto e galas
Majestosa e sentida;
Se no dó atentais, de que se enluta,
Certo sentis pesar de a ver tão triste;
Se o rosto lhe fitais, sentis deleite
De a ver tão bela e grave!
Considerai porém o nobre aspecto,
E o porte, e o garbo senhoril e altivo,
E as falas poucas, e o olhar sob'rano,
E a fronte levantada:
No silêncio que a veste, adorna e honra,
Conhecendo por fim quanto ela é grande,
Com voz humilde a saudarei rainha,
Curvado e respeitoso.
Eu amo a noite solitária e muda,
Quando, bem como em salas de banquete
Mil tochas aromáticas ardendo,
Giram fúlgidos astros!
Eu amo o leve odor que ela difunde,
E o rorante frescor caindo em pér'las,
E a mágica mudez que tanto fala,
E as sombras transparentes!
Oh! quando sôbre a terra ela se estende,
Como em praia arenosa mansa vaga;
Ou quando, como a flor dentre o seu musgo,
A aurora desabrocha;
Mais forte e pura a voz humana soa,
E mais se acorda ao hino harmonioso,
Que a natureza sem cessar repete,
E Deus gostoso escuta.

quinta-feira, novembro 16, 2006

Em Torno do Auto-Conhecimento

“Nem sempre pensar por si mesmo é o que esperamos ser o mais sensato numa crise. Quanto tempo se perde em elucubrações pueris, frutos de uma mente inflamada pelo orgulho, onde se maquinam idéias tão funestas capazes de arruinar a vida de alguém nos mínimos detalhes? Meditar é preciso, mas fundamental é pedir auxílio a quem, por experiência própria , pensa melhor e mais claramente. Sabemos que todos têm uma visão muito peculiar sobre o que lhe interessa, sendo o móvel de suas ações o resultado de suas escolhas mentais, de seus pendores e gostos pessoais. No entanto, não há que se desprezar a opinião dos amigos diletos, tão pouco a dos inimigos ferrenhos. Ambos nos conhecem muito bem, e por ângulos diversos da existência, daí a sua importância na busca da auto-análise, do auto-conhecimento, o espelho precioso que nos refletirá a almejada verdade que nos libertará de nós mesmos.”

quinta-feira, outubro 26, 2006

Da Pureza dos Lírios





É teu
o primeiro pensamento
na aurora
como o derradeiro
ao cair nos braços
da primeira morte
ainda e mais
que a tua imagem
adorada
tece meus sonhos
em lírios fios
ante o silêncio das estrelas
embalados
no regaço de Morfeu...

Hoje eu vou mudar!

Hoje eu vou mudar
Vasculhar minhas gavetas
Jogar fora sentimentos e ressentimentos tolos
Fazer limpeza no armário retirar traças e teias
E angústias da minha mente
Parar de sofrer por coisas tão pequeninas
Deixar de ser menina pra ser mulher
Hoje eu vou mudar
Por na balança a coragem
Me entregar no que acredito
Pra ser o que sou sem medo
Dançar e cantar por hábito
E não ter cantos escuros
Pra guardar os meus segredos
Parar de dizer
Não tenho tempo pra vida que grita dentro de mim
Me libertar!...
Hoje eu vou mudar
Sair de dentro de mim
E não usar somente o coração
Parar de cobrar os fracassos, soltar os laços
E prender as amarras da razão
Voar livre com todos os meus defeitos
Pra que eu possa libertar os meus direitos
E não cobrar dessa vida
Nem rumos e nem decisões
Hoje eu preciso e vou mudar
Dividir no tempo e somar no vento
Todas as coisas que um dia, um dia sonhei conquistar
Porque sou mulher como qualquer uma
Com dúvidas e soluções,
Com erros e acertos,
Amor e desamor.
Suave como a gaivota e ferina como a leoa
Tranqüila e pacificadora
Mas ao mesmo tempo irreverente e revolucionária
Feliz e infeliz, realista e sonhadora,
Submissa por condição mas independente por opinião
Porque sou mulher com todas as incoerências que fazem de nós
O FORTE SEXO FRACO.

quarta-feira, outubro 25, 2006

Na sua estante...

Te vejo errando e isso não é pecado
Exceto quando faz outra pessoa sangrar
Te vejo sonhando e isso dá medo
Perdido num mundo que não dá pra entrar
Você está saindo da minha vida
E parece que vai demorar
Se não souber voltar ao menos mande notícia
Cê acha que eu sou louca
Mas tudo vai se encaixar
Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
Você tá sempre indo e vindo, tudo bem
Dessa vez eu já vesti minha armadura
E mesmo que nada funcione
Eu estarei de pé, de queixo erguido
Depois você me vê vermelha e acha graça
Mas eu não ficaria bem na sua estante
Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
Só por hoje não quero mais te ver
Só por hoje não vou tomar minha dose de você
Cansei de chorar feridas que não se fecham, não se curam (Não)
E essa abstinência uma hora vai passar

Boa companhia é outro departamento...



Juli é, e sempre foi, uma companhia mais que maravilhosa... Quanto mais o tempo passa fica melhor!! E pensar que ela parece comigo...hehehe É mais do que eu pedi a Deus... Mais fotos da gente no Praia Shopping dia 21/10... nós duas em close... Benditas sejam as minhas folgas!!!

Cineminha no último sábado...















A proposta era de assistir a Chapeuzinho, mas não rolou... Tudo esgotado... Tentamos o Cinemark do Praia Shopping e nada... Nos restou o Brian de Palma e sua Dália Negra no Unibanco Arteplex... Filme noir(?), denso, de embaralhar a cabeça, mas muito bom... Fora que a companhia não poderia ser melhor - Juli, a minha filhota... A foto já mostra que o programa foi ótimo.

terça-feira, outubro 24, 2006

Acrilic on Canvas

É saudade então.
E mais uma vez
De você fiz o desenho pais perfeito que se fez:
Os traços copiei do que não aconteceu.
As cores que escolhi, entre as tintas que inventei
Misturei com a promessa que nós dois nunca fizemos
De um dia sermos três.
Trabalhei você em luz e sombra.
Era sempre:-- Não foi por mal.
Eu juro que nunca quis deixar você tão triste.
Sempre as mesmas desculpas
E desculpas nem sempre são sinceras --Quase nunca são.
Preparei a minha tela com pedaços de lençóis
Que não chegamos a sujar.
A armação fiz com madeira
Da janela do seu quarto.
Do portão da sua casa
Fiz paleta e cavalete
E com as lágrimas que não brincaram com você
Destilei óleo de linhaça
E da sua cama arranquei pedaços
Que talhei em estiletes
De tamanhos diferentes
E fiz entãoPincéis com seus cabelos.
Fiz carvão do batom que roubei de você
E com ele marquei dois pontos de fuga
E rabisquei meu horizonte.Era sempre:-- Não foi por mal.
Eu juro que não foi por mal.
Eu não queria machucar você: prometo que isso nunca vai
Acontecer mais uma vez.
E era sempre, sempre o mesmo novamente --A mesma traição.
Às vezes é difícil esquecer:-- Sinto muito, ela não mora mais aqui.
Mas então porque eu finjo que acredito no que invento?
Nada disso aconteceu assim -- não foi desse jeito.
Ninguém sofreu: é só você que provoca essa saudade vazia
Tentando pintar essas flores com o nome
De "amor-perfeito" e "não-te-esqueças-de-mim".

sábado, outubro 07, 2006

Triste...

Depois que o sol se pôs
e teus olhos se fecharam para mim
e outra luz brilhou neles
Depois que essa bruma densa
se rendeu e eu pude ver
que você não mais estava
onde eu pensava, imaginava, sonhava
É... Eu vivi outra coisa,
um mundo à parte do teu.
Saí de repente
de uma noite branda, silente
pra um abismo de estrelas de primeira grandeza
E meus pés já não pisam o chão seguro
e meu coração arrebentado
é o paredão de pedra
castigado por ondas violentas
que batem sem cessar
Não tenho outro pensamento,
é sempre você
num ritmo intenso e cadenciado
me levando à loucura
Perdi o caminho
o rumo que julgava existir
em você...